TCO: como entregar mais obrigações fiscais com menos custo

tco mais obrigacoes fiscais menos custo blog mxm 01
Compartilhe:

O Total Cost of Ownership (TCO) ou, em português, Custo Total de Propriedade, é um método de análise de custos que compreende tanto o investimento a ser feito na compra de um produto ou serviço como também na sua manutenção.

Trata-se de uma ferramenta muito importante para nortear as decisões empresariais e fazer com que elas sejam verdadeiramente assertivas. Mas, afinal, como chegar aos cálculos e resultados corretos? Como as obrigações fiscais se encaixam nesse cenário? É o que explicaremos neste artigo. Continue a leitura!

Calcule o TCO

Primeiramente, é preciso entender como realizar as contas que envolvem o TCO, os custos e despesas. Como você verá a seguir, isso consiste em um processo bastante detalhado. A partir dele será possível fazer uma entrega mais acertada com menos gastos.

Classifique os custos

Entenda de onde vêm os custos e para onde eles serão destinados. Esse é o primeiro passo e algo essencial.

Aquisição

Quanto será investido logo no começo, na aquisição do produto ou serviço relacionado às obrigações fiscais? A resposta para essa pergunta auxiliará em todo o resto.

Implementação

Posteriormente, é necessário saber quais serão os investimentos na implementação do que foi adquirido. Não se esqueça de nenhum aspecto, inclusive a contratação de um profissional, caso se faça necessário.

Suporte/manutenção

Os custos não terminam depois que algo foi adquirido e implantado. É fundamental saber quanto deverá ser aplicado na manutenção.

Em qual periodicidade, em geral, ela precisa ser feita? Quais são as principais intercorrências que podem surgir durante a utilização? Quanto financeiramente será preciso para resolver tais pendências?

Identifique se os custos são de ordem direta ou indireta

Calculados os custos, é importante também definir a ordem deles: direta ou indireta? Os diretos são aqueles ligados a tudo o que já falamos aqui, desde a aquisição até a implementação.

Já os indiretos têm a ver com o usuário final, ou seja, estão relacionados ao suporte, ações de reparo, entre outros.

Defina o propósito

Não esqueça também que a formulação e o entendimento do TCO devem passar pela definição do propósito. Afinal, por que se está direcionando os esforços para esses produtos/serviços? O que eles têm de bom em relação às obrigações fiscais? Quais são os seus objetivos? Quais resultados você espera alcançar a médio e longo prazo?

Selecione as variáveis

Conforme mencionamos no começo deste artigo, você deve levar em consideração todas as variáveis presentes na compra, manutenção e suporte do serviço/produto. Mesmo que já as tenha colocado no papel, é fundamental fazer uma revisão para verificar se está tudo de acordo com o planejado, o que pode ou não sofrer alteração.

Estabeleça o período

Por fim, calcule o tempo de todo esse processo. Deve-se saber para qual período serão os investimentos. Aqui, cabe até mesmo fazer mais uma conta e encontrar os gastos efetuados por dia ou por mês, por exemplo, pegando o valor total e dividindo pelo tempo definido.

O TCO é uma importante ferramenta para calcular os gastos envolvidos no processo de aquisição, implementação e manutenção de um serviço ou produto e pode ajudar muito em relação às obrigações fiscais. Recorrer a ele fará com que você tenha ações muito mais acertadas e verdadeiramente faça o necessário com o que tem disponível. Saber os principais custos de uma empresa é essencial.

Gostou do artigo? Receba conteúdos como este no seu e-mail. Assine a nossa newsletter e esteja sempre atualizado!

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.