Entenda o papel da TI no sucesso da Gestão da Inovação da sua empresa

Compartilhe:

Diante do cenário atual, promover a gestão da inovação não se trata de uma escolha, mas sim de uma necessidade que merece a devida atenção das organizações. Sobretudo quando se refere à área de tecnologia.

Isto é, em virtude de uma economia em que o capital humano tem sido substituído pela tecnologia, é essencial que haja uma abordagem mais aprofundada da gestão da inovação.

Por essa razão, os gestores devem investir na gestão da inovação nos negócios e na implementação de uma cultura organizacional que incentive o processo criativo, criando novos produtos e serviços.

Já que esse é um assunto relativamente novo para algumas organizações, preparamos este post para que você compreenda como a TI interage na gestão da inovação das empresas. Acompanhe os tópicos seguintes e confira!

O conceito de gestão da inovação

A gestão da inovação é uma disciplina que, a cada dia mais, conquista espaço no mundo corporativo, afinal, é responsável pelo gerenciamento de otimizar os processos e converter ideias em soluções.

Ou seja, é uma área que envolve a geração de resultados de forma responsável, envolvendo a gestão estratégica, criação e desenvolvimento de modelos, a gestão de recursos e a implementação de ferramentas.

Durante muito tempo, a geração de ideias foi considerada como um processo desorganizado e não estruturado. Todavia, a gestão da inovação visa mudar essa concepção, melhorar o modo como a equipe interage com os problemas e a apresentação soluções na forma de produtos e serviços.

O papel da gestão da inovação nas empresas

Metaforicamente falando, a gestão da inovação serve para cultivar um solo fértil, em que não haja ofensores ao florescimento de ideias. Ou seja, um de seus papéis mais importantes é eliminar qualquer obstáculo que se imponha ao processo criativo da empresa.

O propósito é gerar uma ausência de regras, cultura e padrões de comportamento que frustram a colaboração e a proposição de melhorias e inovações. Paralelamente, a gestão da inovação fornece recursos, ferramentas, insights e processos que alavancam o sucesso dessas iniciativas.

Quando se desenvolve uma cultura na qual o colaborador se sente capaz de inovar, a gestão viabiliza o surgimento de ideias e soluções com mais frequência e de forma natural.

Mas isso não é tudo, dar visibilidade à criatividade é fundamental: é preciso facilitar o compartilhamento das ideias entre colaboradores que detém diferentes habilidades e conhecimentos.

Desse modo, todos podem colaborar entre si, identificando as melhores propostas, ajudando a aprimorá-las e descartando aquelas soluções que não se mostram viáveis no momento.

Outro ponto de atenção referente à gestão da inovação é a postura da organização em relação às ações. Afinal, não basta manter um repositório de ótimas ideias, é preciso que elas sejam colocadas em prática e inseridas no mercado.

A gestão da inovação na prática

Ainda que qualquer profissional possa oferecer boas ideias, o grande desafio é desenvolver um ambiente que proporcione a criatividade, que valorize a contribuição dos colaboradores e que seja capaz de selecionar as melhores propostas e levá-las ao mercado.

Convém dizer que as empresas que buscam ser criativas sem desenvolver a gestão da inovação costumam errar em um ponto essencial: a utilidade das ideias.

Isto é, de nada vale idealizar soluções incríveis que não tenham aplicabilidade prática, levando em consideração as realidades da empresa. É preciso focar na busca de soluções para problemas e necessidades reais do dia a dia.

Confira, a seguir, as ferramentas, estratégias e processos que podem ser implementados para cultivar a gestão da inovação:

Análise do cenário

Essa etapa deve ser realizada pelos gestores logo no início, tendo como objetivo levantar quais os problemas atuais que a empresa enfrenta, quais as demandas por melhorias de produtos e serviços, quais os processos internos que apresentam falhas e o que falta no mercado.

Verificação do problema

Nesse momento é necessário se aprofundar e pesquisar sobre o ofensor, idealizando e estruturando formas de combatê-lo. É preciso entender o comportamento do cliente e o que ele busca para satisfazer suas necessidades.

Ou seja, é preciso ter a consciência de como os clientes agem nas suas interações com os produtos ou serviços fornecidos, bem como levantar se já existem soluções para o mesmo problema.

O ideal é tomar nota de tudo, ir a campo, tirar fotos que sirvam para ilustrar determinadas situações, estabelecer diálogos com especialistas e assim por diante.

Matriz de SWOT

A análise de SWOT corresponde a uma ferramenta que, na forma de matriz, ajuda a enxergar quais são as forças, fraquezas, oportunidades e ameaças que a empresa apresenta.

Quando os gestores têm tudo isso muito bem mapeado, é possível promover uma gestão da inovação mais assertiva, orientada à exploração das forças e oportunidades, bem como focada na eliminação das fraquezas e ameaças.

Geração de ideias

Depois de entender a questão com a profundidade devida, é necessário mover esforços para desenvolver o que se chama de criatividade produtiva. Ou seja, a geração de ideias que, de fato, possam resolver os problemas em questão ou aprimorar os processos.

Para tanto, estratégias de design thinking, reuniões de brainstorming, bem como planos de recompensas podem ser estruturados. Vale insistir que é preciso abandonar as regras, padrões preconcebidos e todos os tipos de bloqueios à criatividade dos profissionais.

Seleção das ideias

Diferentes métodos podem ser realizados para se selecionar a melhor proposta, desde votação, deliberação do gestor ou outro modo que a empresa preferir. Nessa fase, os colaboradores devem submeter suas ideias à apreciação dos colegas ou de uma comissão, argumentando e buscando convencer os envolvidos a investir no projeto.

O ambiente deve ser de descontração e de competição saudável.

Desenvolvimento das ideias

Esse é o momento de colocar tudo em prática. Contudo, os projetos escolhidos não devem ser simplesmente implementados a todo custo, mas, sim, organizados e executados na forma de gestão da inovação.

A ideia é transformar cada ideia em algo concreto, para tanto, os recursos de TI não podem ser ignorados. Implementar soluções de gerenciamento de processos, um ERP, utilizar softwares de gerenciamento eletrônicos de documentos e demais sistemas informatizados é um dos melhores investimentos que a empresa pode fazer em gestão da inovação.

Aproveite e baixe este e-book com um glossário de TI detalhado! Com ele você ficará muito mais familiarizado a esse ambiente!

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.