Computação na Cloud: jornada ou destino final?

Compartilhe:

Os CEOs geralmente veem a plataforma de nuvem pública como o final da jornada –  um objetivo a ser alcançado o mais rápido possível. A realidade para os CTOs, entretanto, é muito mais complexa. Muitas empresas de TI já possuem infraestrutura, aplicações e dados,  que devem ser levados em consideração, particularmente quando o valor de uma nuvem híbrida se torna aparente. Nesse caso, a nuvem é geralmente vista como um caminho para vantagens estratégicas de negócio. Essa diferença de posicionamento, muito provavelmente, persistirá no futuro. De acordo com um questionário do Gartner, 58% dos CEOs dizem que crescimento é a prioridade numero um em 2017, contudo, tecnologia também é um quesito que tem crescido em grau de importância. Enquanto os CEOs estão mais preocupados com o impacto nos negócios, gerado pela estratégia da nuvem híbrida, CTOs precisam estar preparados para analisar os componentes técnicos e os requisitos da migração para a nuvem, junto com as considerações de negócio.

Agregando valor através da nuvem híbrida

Os CTOs sabem que suas organizações precisam usar as capacidades nativas da nuvem, por trás de seus Firewalls e conectar os investimentos aos ambientes de nuvem híbrida. Um ambiente híbrido realiza o uso simultâneo dos serviços de nuvem e das infraestruturas locais possíveis. Isso permite um fluxo de cargas de trabalho automatizado entre os sistemas locais e os que tem base na nuvem – ou armazenar dados específicos de um lado ou de outro do Firewall– para um desenvolvimento flexível e encaminhar as cargas de trabalho para onde elas consigam manter uma performance elevada, junto com aplicações específicas.

Alguns anos atrás, computação na nuvem só significava redução de custos para os grandes líderes do mercado e de TI. Agora, os mesmos líderes estão mais propensos a discutir sobre os benefícios relacionados ao tempo de implementação dos ambientes de nuvem híbrida. A prioridade para suas organizações é trazer rapidamente novas capacidades ao mercado, e para isso é necessário que consigam integrar as aplicações da nuvem com os serviços críticos de seus negócios. Por exemplo, a nuvem híbrida faz a conexão entre redes e aplicativos móveis modernos com a central de dados da organização, mais rápido e fácil do que nunca, ajudando a acelerar a inovação.

Fazendo as escolhas certas para cada tipo de negócio

O que funciona bem e o que não funciona tão bem em sistemas baseados na nuvem, geralmente varia de negócio para negócio. Para o CTO de um negócio novo, grandes gastos de capital para infraestrutura pode não parecer factível. Enfatizar as opções de nuvem pública para adquirir mais capacidade, como um serviço por exemplo, pode fazer mais sentido do que construir imediatamente uma infraestrutura local extensiva.

Por outro lado, as aplicações críticas de mainframe de empresas com grandes centros operacionais, podem ter motivos fortes para não mover essa carga de trabalho para a nuvem. Por exemplo, pode estar executando um software para servidores de aplicação em um mainframe de potencia industrial, com gerenciamento online e conectividade para aplicações que contém dados críticos.

Independentemente se a organização escolher entre modelos locais, externos ou híbridos, escolher o servidor de nuvem ideal é essencial para ganhar rapidez, flexibilidade, inovação e segurança necessárias para entregar o caminho mais rápido para o sucesso.

Trabalhando juntos: CEOs e CTOs

Como decisões relacionadas a servidores e plataformas como precisam ser feitas, a mistura certa entre recursos locais e com base na nuvem, pode tomar forma de acordo com o plano e a estratégia geral de nuvem híbrida. CTOS sabem da importância de chegar em uma racionalização sobre a direção geral de TI da organização e as escolhas tecnológicas. E os capacita para prover as tecnologias certas que adicionam valor as diferentes unidades de negócio. Depois de tudo, decisões tecnológicas por proxy, podem levar a uma confusão de sistemas que podem não funcionar bem.

O curso de ação para CEOs e CTOs que possui o maior impacto é o trabalho em equipe, concordar com objetivos em comum e usar indicadores chaves de performance para mensurar o progresso de sua organização em sua jornada na nuvem híbrida. A partir disso, os CTOs podem criar a estratégia de TI certa para um sucesso de longo prazo.


Fonte: IBM Systems Brasil Blog
Créditos autorais:  – IBM z Systems Fellow e CTO

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.