10 tendências tecnológicas para os próximos 4 anos, segundo o Gartner

Compartilhe:

10-tendencias-tech-mxm-01Preparado para uma jogada rápida de realidade aumentada, além da percepção da diminuição dos aplicativos móveis, e uma grande mudança da navegação na web com interação por voz?

“Diversos usuários esperam encontrar empresas, universidades e governos estimulando mudanças como estas nos próximos anos”, afirmou o Gartner em sua conferência anual, Gartner Symposium/ITxpo, que ocorreu em Orlando, na Flórida (EUA).

Dentre estas e outras mudanças, um tema atualmente muito comentado está em pauta: a transformação digital, que não só já está acontecendo, como deverá aumentar em escala ao longo do tempo. Confira a seguir um artigo desenvolvido pelo Portal CIO sobre dez inovações tecnológicas previstas para curto prazo pela empresa de consultoria Gartner:

1. 100 milhões de consumidores vão comprar em ambientes de realidade aumentada em 2020

Os volumosos óculos de realidade aumentada que utilizamos hoje em dia serão mais elegantes e fáceis de manusear e segundo Daryl Plummer, o analista do Gartner, quando você visitar uma mercearia no futuro, “todos os dados sobre os diferentes itens estarão flutuando no ar, em sua frente”.

Além disso, em 2017, o Gartner acredita que uma em cada cinco principais marcas de varejo globais implementarão mecanismos de Realidade Aumentada para vendas on-line.

2. Ainda em 2020, “as pessoas conversarão mais com bots do que com seus próprios cônjuges”

Em quatro anos, 30% das sessões de navegação na web serão concluídas sem a necessidade de uso de uma tela. Em outras palavras, os usuários vão confiar mais em assistentes virtuais – como o Alexa ou a Siri -, cuja compreensão da linguagem natural vem continuamente se aprimorando.

Contudo, a crescente dependência de comunicações de voz para interagir com a internet levanta enormes dúvidas pois para que as interações por voz se tornem usuais será preciso resolver algumas questões: “digamos que um estudante queira verificar suas notas através de Alexa. Como vamos autenticar esse aluno?” questiona Aren Cambre, líder da equipe Web da Southern Methodist University. “Há algumas perguntas ainda mais difíceis e importantes a serem respondidas.

3. Em 2019, 20% das grandes marcas abandonarão seus aplicativos móveis

As companhias, em muito breve, vão parar de usar aplicativos como o primeiro ponto de contato da marca com seus clientes, disse Plummer. Os apps não estão fornecendo os resultados esperados pelas áreas de negócio, especialmente o Marketing, segundo ele. “O custo é ainda maior do que o benefício”, afirma.

Em contrapartida, as empresas vão se voltar novamente para a web móvel ou passar a usar abordagens como a dos “Progressive Web Apps” promovidos pelo Google, que começam como uma simples aba no Chrome e se tornam “progressivamente mais apps” à medida em que os usuários interagem com ele. A vantagem para o usuário é a de não ter que instalar vários apps utilizados uma única vez na vida. “Os apps não vai desaparecer completamente, mas já “estamos ingressando na era pós-app”, disse ele.

Na opinião do Gartner, ao longo dos próximos cinco anos evoluiremos para um mundo pós-aplicativos, com agentes inteligentes fornecendo ações e interfaces dinâmicas e contextuais. Os líderes de TI devem explorar como usar equipamentos e agentes autônomos para aumentar a atividade, permitindo que as pessoas façam apenas os trabalhos que humanos podem fazer. Todavia, eles devem reconhecer que agentes e equipamentos inteligentes são um fenômeno de longo prazo, que evoluirá continuamente e expandirá seus usos nos próximos 20 anos.

4. A curto prazo, empresas se beneficiarão de algoritmos para “alterar positivamente o comportamento de bilhões de trabalhadores globais”.

Estes sistemas funcionarão como assistentes virtuais, porém, usarão o conhecimento comportamental e psicológico para auxiliar os funcionários a tomarem decisões mais assertivas e apropriadas.

Isto significa que as empresas utilizarão a ciência comportamental, psicológica, social e cognitiva para criar algoritmos que influenciem os funcionários a realizarem melhor em seu trabalho. Um excelente exemplo seria um programa que escuta uma chamada de atendimento ao cliente e dá sugestões ao atendente sobre como responder às perguntas de forma mais eficiente.

5. Em 2022, haverá uma empresa de serviços Blockchain que deverá faturar US$ 10 bilhões

Blockchain, ou “digital ledger” (livro razão) é uma tecnologia que mantém um banco de dados distribuído para registrar transações, possibilitando a visualização de todos conectados na rede. Por amparar o aumento da transparência e a confiança nas transações, pode levar ao desenvolvimento de grandes “ecossistemas”, ou redes de negócios que irão utilizá-lo.

O potencial de ruptura da tecnologia é grande, inclusive ameaçando os antigos intermediários que mantém modelos de negócios tradicionais baseados em garantia de confiança, como tabeliões e autoridades públicas de registro de automóveis, casamentos, propriedades, patentes, passaportes, registros médicos, entre outros.

6. Até o fim de 2021, 20% de todas as atividades de engajamento envolverão pelo menos um dos sete gigantes digitais

Dentre os “Gigantes Digitais” encontramos a Google, Apple, Facebook e Amazon nos EUA, e Baidu, Alibaba e Tencent na China. Isto expressará que os consumidores serão mais dependentes que nunca dos serviços dessas grandes empresas. Elas serão tão essenciais quanto as empresas de utilities.

7. Os gastos com inovação não serão baratos

A consultoria Gartner estima que para cada dólar destinado à inovação serão gastos mais 7 dólares na execução do projeto. Uma vez que poderá haver necessidade de uso de novas arquiteturas e tecnologias como a aprendizagem de máquina.

8. Os dados IoT levarão a um aumento de demanda por armazenamento

A Internet das Coisas vai produzir uma grande quantidade de dados, capaz de aumentar a demanda por armazenamento em cera de 3% já em 2018! Isso porque a maioria dos dados gerados por dispositivos de IoT serão processados localmente, eliminando a necessidade de serem armazenados por um período de tempo muito longo. Os algoritmos é que irão determinar os dados que precisam ser salvos.

9. A Internet das Coisas vai economizar 1 trilhão de dólares a partir de 2022

Sensores inteligentes serão utilizados para serviços de prevenção, como prever quando a manutenção de hardware será necessária, por exemplo.

10. O uso de dispositivos de fitness irá se expandir consideravelmente

Em 2020, o Gartner estima que 40% dos empregados poderão reduzir os seus custos com cuidados de saúde através do uso de um desses dispositivos para monitoramento de atividades físicas.


Fonte: Dez previsões tecnológicas de curto prazo, segundo o Gartner | Portal CIO

Compartilhe:

1 comentário em “10 tendências tecnológicas para os próximos 4 anos, segundo o Gartner

  1. Empresa de Sucesso Responder

    Ola excelente informacoes, tenho uma holding de empresas e preciso registrar a marca, irei entrar em contato.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.